Mitos e Verdades

Clique para mudar

VOU TER QUE CONTAR TUDO AO MEU TERAPEUTA?

VERDADE.
Frequentemente utilizamos mecanismos de defesa para não ter contato com acontecimentos dolorosos de nossa vida, e devido a isso o problema pode ser acobertado ou  enraíza-se  em outra área de conflito. A base da relação terapêutica é o vínculo e a confiança entre o cliente e terapeuta, e certamente tudo que diz respeito ao cliente é importante no processo terapêutico. Porém, o tempo necessário para estabelecer a relação de confiança é respeitado, e ninguém é forçado a dizer qualquer coisa enquanto não se sentir a vontade para isso.

POSSO FICAR DEPENDENTE DO TERAPEUTA?

MITO.
Um dos aspectos mais importantes a ser trabalhado na psicoterapia é a autonomia. No momento em que se percebe qualquer grau de dependência nesse sentido, o conteúdo é trabalhado para que o cliente torne-se cada vez mais independente, autônomo e confiante em suas decisões e em sua vida.

TODOS OS PROBLEMAS SEXUAIS PODEM SER RESOLVIDOS COM MEDICAÇÃO.

MITO.
Os medicamentos, como o Viagra, por exemplo, funcionam como uma solução imediata e a curto prazo para a Disfunção Erétil. Porém as causas, frequentemente psicológicas e emocionais, devem ser trabalhadas em psicoterapia.

Para outros transtornos de sexualidade masculinos e para os femininos ainda não existem medicamentos, e quando descartada qualquer causa orgânica, as causas emocionais são tratadas na terapia sexual.

AS MENTIRAS QUE TODOS CONTAM

Sexo sempre foi um dos assuntos mais populares e interessantes nas rodas femininas e masculinas. Detalhes como quantidade de parceiros, frequência e performance são muito comentados e muitas vezes de forma exagerada, gerando, portanto, uma falsa impressão de que a grande maioria não apresenta dificuldades e problemas relacionados à sexualidade.

Pesquisas apontam, que ainda nos dias de hoje, tanto homens quanto mulheres costumam mentir, e muito, sobre a vida sexual.

A iniciação sexual, cada mais precoce, contribui para que as mulheres tenham mais parceiros ao longo da vida. Contudo, a pressão cultural e o medo de serem julgadas infiéis e pouco confiáveis faz com que tendam a mentir e omitir sobre seu passado, especialmente ao par atual.

Em compensação, entre elas, a maioria afirma ter orgasmos inesquecíveis e uma vida sexual muito ativa!

Enquanto elas se preocupam em estarem acima da média, os homens se incomodam com a possibilidade de estarem abaixo dela. Eles por sua vez, costumam aumentar a quantidade de parceiras e relações com o objetivo de se autovalorizar e promover. Raramente compartilham situações de fracasso, mesmo com os mais íntimos.

Observo no consultório, que o mito da Máquina de Sexo pode ser extremamente prejudicial para pessoas, especialmente quando existe uma disfunção sexual. A sensação gerada é que ninguém mais apresenta problemas, devido às crenças errôneas criadas a partir da comparação aos relatos de outros. Além da dificuldade sexual, o sujeito passa a ter que lidar com sentimentos de anormalidade, preocupação excessiva, baixa autoestima, ansiedade e depressão. Como decorrência, o desejo de fazer sexo é reduzido, fato que agrava ainda mais sua condição.

Se pensarmos que, de acordo com as pesquisas mais recentes, 35% dos homens entre 18 e 40 anos apresentam disfunção erétil em algum nível, 30 a 45% tem ejaculação precoce e mais de 50% das mulheres não tem vontade de fazer sexo, precisamos refletir sobre o quanto de mentiras circula em uma mesa de bar.

Uma parte importante da Psicoterapia Sexual é a Psicoeducação. Utilizando essa linha de orientação temos a chance de desmistificar as crenças errôneas e inatingíveis, tirar dúvidas, trazer dados de realidade e adequar à expectativa do paciente, para aproveitar o sexo da melhor forma e desenvolver um maior equilíbrio emocional, autoestima e qualidade de vida.